Demissão. Você está preparadx? Humanizar as demissões é um ato de responsabilidade social

Independente do porte, empresas de diversos setores estão sendo afetadas pela crise causada pela pandemia. Com o atual cenário da economia, sabemos que demissões serão inevitáveis, para garantir a sobrevivência das empresas.

A situação não é fácil para quem demite, nem para quem permanece na empresa e, muito menos, para quem é desligado, que sofre além da dor emocional, pois também precisará lidar com a perda financeira. Por isso, o momento demanda algumas reflexões sobre a humanização das demissões.

Esse desafio não é apenas brasileiro e não surge com a pandemia, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) por meio do Pacto Mundial para o Emprego (i) já vem propondo desde 2009 uma série de medidas para responder à crise. E, em 2015, coordenados pela Organização das Nações Unidas (ONU) os países tiveram a oportunidade de adotar a nova agenda de desenvolvimento sustentável que resultaram em 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). (ii)

No tema em questão, cabe ressaltarmos o Objetivo 8: “Trabalho decente e crescimento econômico, cujo foco é: promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todas e todos”. Esse já era um problema latente no Brasil antes da pandemia conforme relatório do IBGE que apontou no primeiro trimestre de 2020, 12,9 milhões de desempregados, uma taxa de desemprego de 11,9%, 4,8 milhões de desalentados, 24,4% de taxa de subutilização. (iii)

O Impacto da 4ª Revolução Industrial

Se o cenário já não era favorável antes da pandemia, por conta das consequências negativas da Quarta Revolução Industrial, quando muitos postos de trabalho começaram a ser substituídos por alguma forma de tecnologia;  agora com a necessidade de isolamento social, muitos negócios passaram a ser digitais ou virtuais, e a redução de postos de trabalho ganhou mais velocidade ainda.

Saiba mais sobre a 4ª Revolução Industrial e os empregos do futuro:
https://rtdho.xyz/conheca-as-5-coisas-que-voce-deve-saber-sobre-os-empregos-do-futuro-segundo-o-forum-economico-mundial/

As previsões de retomada da economia também não são alentadoras, pois são agravadas pelo próprio impacto financeiro das demissões. Sendo assim, humanizar esse processo parece ser uma atitude de responsabilidade social, olhar com mais atenção para os impactos psicológicos que ela ocasiona.

Observamos em alguns de nossos clientes que por não saberem lidar com tal situação, muitas vezes empresas e gestores realizam essa importante passagem na vida de um profissional sem o devido cuidado, o que gera profundas marcas não só em quem é desligado, mas também em quem fica.

Acreditamos que humanizar as demissões é um ato de responsabilidade social, e que que se a empresa conseguir preparar melhor seus gestores para lidar com o momento da demissão e oferecer ferramentas para acolher o profissional desligado, os impactos emocionais poderão ser reduzidos.

É importante o profissional desligado contar com um apoio especializado para entender seu momento e sua trajetória profissional, planejar seus próximos passos, fortalecer seu autoconhecimento e ter clareza sobre suas competências técnicas e comportamentais.

Ao criar um ambiente favorável, é possível diminuir riscos para a empresa e os impactos psicológicos para o profissional desligado.

5 dicas para humanizar os desligamentos:

  • Transparência é a palavra chave na comunicação com o gestor, equipe e profissional desligado  
  • Orientação ao gestor ou responsável que comunicar a demissão
  • Diálogo aberto com a equipe remanescente
  • Escuta ativa ao profissional demitido
  • Sempre que possível, contar com a ajuda de uma empresa especializada no assunto

Você já passou por alguma experiência do tipo? Gostaria de compartilhar conosco sua opinião sobre o assunto? Tem mais alguma dica para agregar?

Fontes:

Categorias Carreira

Deixe um comentário

3 × 1 =